terça-feira, 2 de novembro de 2010

Recorte, rascunho caleidoscópico

Constância, persistência...Rotina, disciplina, perseverança, tem coisa mais chata de encarar?

Basta ser obrigado para não querer fazer, mesmo as coisas mais divertidas, quando viram obrigação perdem imediatamente o seu encanto! Não entendo ao certo qual o circuito neuronal que ativado pela expressão "tem que", num passe de mágica, faz com que toda endorfina desapareça das sinapses trazendo, em substituição ao prazer, o aborrecimento e o tédio.

Por outro lado, os humanos parecem ter se desenvolvido por meio da sacrossanta teimosia.

NIetzsche em Humano Demasiado Humano - "Também o gênio não faz outra coisa senão aprender antes a assentar pedras e depois construir, sempre buscando matéria prima e sempre a trabalhando.Toda atividade humana é assombrosamente complexa, não só a do gênio, mas nenhuma é um "milagre"...e segue dizendo: "Chamar alguém de "divino" significa dizer "aqui nâo preciamos competir" E além disso: tudo que está completo e consumado é admirado, tudo o que está vindo a ser é subestimado.

Culto do gênio por vaidade – Porque pensamos bem de nós, mas no entanto não esperamos de nós que possamos alguma vez fazer o esboço de uma pintura de Rafael ou uma cena tal como a de um drama de Shakespeare, persuadindo-nos de que a faculdade para isso é maravilhosa, acima de todas as medidas um raríssimo acaso, ou, se ainda temos sentimento religioso, uma graça do alto. Assim, nossa vaidade, nosso amor-próprio, propiciam o culto do gênio: pois somente quando este é pensado bem longe de nós, como um miraculum, ele não fere (mesmo Goethe, o sem inveja, denominava Shakespeare sua estrela da altura mais longínqua; a propósito do que, se poderia lembrar o verso: “As estrelas, essas não se desejam“). Mas, sem levar em conta essas insinuações de nossa vaidade, a atividade do gênio não aparece de modo algum como algo fundamentalmente diferente da atividade do inventor mecânico, do erudito em astronomia ou história, do mestre de tática. Todas essas atividades se explicam quando se tem em mente homens cujo pensar é ativo em uma direção, que utilizam tudo como material, que sempre consideram sua vida interior e a de outros com empenho, que por toda parte vêem modelos, estímulos, que nunca se cansam de combinar seus meios. O gênio também nada faz a não ser aprender, primeiro, a pôr pedras, em seguida a edificar, procurar sempre pôr material e sempre modelar nele. Toda atividade do homem é complicada até o miraculoso, não somente a do gênio: mas nenhuma é um “milagre”. – De onde então a crença de que somente em artistas, oradores e filósofos há gênio? De que somente eles têm “intuição”? (com o que se atribui a eles uma espécie de óculos milagrosos com que vêem diretamente dentro da essência!). Os homens, evidentemente, só falam do gênio ali onde os efeitos do grande intelecto lhes são mais agradáveis, e eles, por sua vez, não querem sentir inveja. Denominar alguém “divino” quer dizer: “aqui não precisamos rivalizar”. Depois: tudo que está pronto, perfeito, é admirado, tudo o que vem a ser é subestimado. Ora, ninguém pode ver, na obra do artista, como ela veio a ser; essa é sua vantagem, pois por toda parte onde se pode ver o vir-a-ser há um certo arrefecimento. A arte consumada da exposição repele todo pensamento do vir-a-ser; tiraniza como perfeição presente. Por isso os artistas da exposição são considerados geniais por excelência, mas não os homens de ciência. Em verdade, aquela estima e esta subestimação são apenas uma infantilidade da razão”.

E segue enfático: Só não falem de talentos de dons e talentos inatos! Podemos nomear grandes nomes de toda natureza que foram pouco dotados.Mas adquiriram grandeza, tornaram-se "gênios" (como se diz) por qualidades de cuja ausência ninguèm que dela esteja cônscio gosta de falar: todos tiveram a diligente seriedade do artesão, que primeiro aprende a construir perfeitamente as partes, antes de ousar fazer um grande todo; permitiram-se tempo para isso, porque tinham mais prazer em fazer bem o pequeno e o secundário do que no efeito de um todo deslumbrante.

Este texto me persegue há muitos anos. Há muito trabalho por fazer...

Nenhum comentário:

Postar um comentário